Rota do crime: de cada 10 cigarros vendidos, 7 são contrabandeados em MS

Mercado ilegal movimentou em média R$ 414 milhões em 2023 no estado

08/06/2024 às 09h00 Atualizada em 09/06/2024 às 22h15
Por: Redação Cenário MS Fonte: do G1
Compartilhe:
Cigarros apreendidos em Bataguassu no dia 11 de março de 2024 - Foto:PRF
Cigarros apreendidos em Bataguassu no dia 11 de março de 2024 - Foto:PRF

De cada 10 pessoas fumantes em Mato Grosso do Sul, 7 compram cigarros contrabandeados, isso é o que mostrou o último levantamento realizado pelo Fórum Nacional de Combate à Pirataria e à Ilegalidade (FNCP). No estado, 74% dos cigarros vendidos em 2023 vieram do contrabando - taxa muito acima da nacional, de 36%.

O levantamento mostrou que cerca de R$ 124 milhões deixaram de ser arrecadados no estado em Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), sendo esse um dos principais tributos de receita para fomentar políticas públicas.

O cigarro continua encabeçando a lista dos itens mais apreendidos pela Receita Federal. De acordo com a FMCP, o item representa 54% do total de produtos apreendidos entre janeiro e dezembro de 2023.

Continua após a publicidade

O preço do cigarro contrabandeado é considerado o principal atrativo para quem consome o produto irregular. Enquanto, no Brasil os impostos sobre o cigarro ficam entre 70% e 90%, no país vizinho a taxa média é de 13%.

Os cigarros ilegais podem entrar no país pela rota tradicional, com acesso pelos estados de Mato Grosso do Sul e Paraná, ou, então, por uma rota alternativa e cada vez mais acessada pelos criminosos. Os cigarros saem do Paraguai, são levados – via terrestre – até o porto de Iquique, no Chile, onde iniciam o transporte pelas águas. De lá, dão a volta no Canal do Panamá até chegarem ao Suriname para entrarem na região Norte e Nordeste do país.

Continua após a publicidade

Cenário nacional
O levantamento ainda revelou que, o cenário de Mato Grosso do Sul é um reflexo do que ocorreu no país com relação ao combate ao mercado ilegal. De cada 100 cigarros comercializados, 36 eram ilegais.

A pesquisa mostrou que o negócio é tão vantajoso que as organizações criminosas fabricam, em território nacional, cópias dos cigarros paraguaios das marcas que são mais contrabandeadas para o Brasil. Só no primeiro trimestre deste ano, já foram fechadas duas fábricas clandestinas de cigarros. Entre 2021 e 2024, foram 24 fábricas -- uma média de 8 por ano.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,45 -0,04%
Euro
R$ 5,84 -0,04%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,54%
Bitcoin
R$ 374,130,36 -0,56%
Ibovespa
120,445,91 pts 0.15%
Publicidade
Lenium - Criar site de notícias